As diferentes colorações dos cabelos

   De modo geral, as mulheres não gostam de pintar os cabelos com frequência. Para adiar a ida ao salão e obter um procedimento mais duradouro, muitas começaram a fazer o processo de “luzes”, conforme o Carlos Alberto afirmou: “a mulherada clareia mais cabelo porque justamente a predominância da brasileira é cabelo moreno e o cabelo branco destaca mais no meio do cabelo escuro, então por isso que a mulherada vai chegando numa certa idade, quando começa a aparecer o cabelo branco, ela começa a fazer as mechas, que aí o branco mistura com o cabelo descolorido e você disfarça mais”. Isto pode ser observado nas falas abaixo:

Joana: “O seu cabelo está com tinta?”.

Cliente: “Sim, com bastante”.

Joana: “Você está com intenção de clarear ele bastante?”.

Cliente: “Aham. Estou com muito cabelo branco aparecendo”.

Joana: “Mas escuro como ele está, com tinta, de primeira não clareia muito não, tem que ser gradativo, conforme vai fazendo ele vai pegando cor”.

   A cor dos cabelos varia entre o negro, castanho, louro, ruivo, grisalho e branco. A melanina, presente no córtex dos fios, é o pigmento responsável por essas colorações. A Joana confirmou: “sempre ando fazendo luzes. Toda semana sempre tem uma”. Seu pai disse ainda que “o cabelo da brasileira, ele tem um pigmento azulado muito grande”. Há dois tipos principais de melanina: a eumelanina e a feomelanina, as quais produzem as cores do castanho ao preto e do marrom-avermelhado ao loiro, respectivamente. Os pigmentos se encontram principalmente no interior do córtex e também na medula em grânulos ovoides ou esféricos (melanócitos – ver a figura a seguir), os quais possuem tamanho de 0,2 a 0,8 µm ao longo dos seus eixos principais (GJESDAL, 1959 apud ROBBINS, 2002, p. 36).

 Local onde a melanina é produzida

Local onde a melanina é produzida.

(Imagem extraída de http://ddcnovasprespectivas.blogspot.com.br/2013/04/melanina-osgranulos-de-melanina-sao.html)

   A eumelanina e a feomelanina são formadas a partir de reações químicas envolvendo espécies químicas intermediárias altamente reativas. A produção do pigmento eumelanina ocorre devido a oxidação enzimática do aminoácido tirosina a dopaquinona. Caso esse composto sofra processo de ciclização intramolecular e polimerização oxidativa é produzido o pigmento eumelanina. Porém, se a dopaquinona reagir com cisteína formará a 5-S-cisteinildopa e isômeros, os quais poderão sofrer posterior ciclização intramolecular e polimerização oxidativa formando o pigmento feomelanina, como mostra a figura a seguir.

Mecanismo para a formação de eumelaninas e feomelaninas

Mecanismos deformação das diferentes melaninas: a eumelanina e a feomelanina

   O cabelo grisalho ou branco (com ausência de cor) pode estar relacionado com o tamanho e a distribuição dos grânulos de melanina, bem como os tipos de pigmentos nas fibras. Como já visto anteriormente, a formação dos pigmentos do cabelo ocorre nos melanócitos presentes no bulbo dos folículos a partir do aminoácido tirosina. A formação dos cabelos brancos acontece quando os melanócitos tornam-se menos ativos durante a primeira fase de crescimento capilar, ou seja, haverá menor produção de pigmentos (ROBBINS, 2002, p. 77-78).

   É provável que os dois tipos de pigmentos sejam formados nos cabelos de uma mesma pessoa, dependendo da quantidade de cisteína presente nos melanócitos e também das diferenças no grau de agregação e dispersão do pigmento eumelanina, sendo que esta fornece maior proteção para as proteínas do cabelo do que a feomelanina. Os anéis aromáticos de ambas as estruturas melânicas são de alta densidade de elétrons, tornando-as sensíveis ao ataque de agentes oxidantes presentes no processo de “luzes” capilar (ROBBINS, 2002, p. 185-188).

Prossiga para: O PROCESSO DE “LUZES” NOS CABELOS.

Volte para: COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DOS CABELOS.

Referências

GJESDAL, F. Investigation on the melanin granules with special consideration of the hair pigment. Acta Pathologica Microbiologica Scandinavica, v. 133, p. 1-112, 1959.

ROBBINS, C. R. Chemical and physical behavior of human hair. 4. ed. New York: Springer-Verlag, 2002. 483 p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *